O consumo de combustíveis, no Brasil, cresceu 5% em abril, na comparação com igual mês do ano passado, para cerca de 11,1 bilhões de litros. Segundo dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o mercado brasileiro acumulou uma alta de 2% no primeiro quadrimestre, ante igual período de 2018. Historicamente vinculadas à trajetória da economia nacional, as vendas de diesel subiram 11,3%, em abril, e 4,2% nos quatro primeiros meses do ano. A expectativa, contudo, é que o mercado registre uma queda em maio, devido aos impactos da greve dos caminhoneiros sobre o abastecimento nacional. A comercialização de gasolina, por sua vez, caiu 7,6% em abril e 9,1% no quadrimestre. O recuo se deve, sobretudo, à perda de competitividade para o etanol hidratado, cujo consumo subiu 30,5% no mês retrasado. No ano, as vendas do biocombustível acumulam uma alta de 40,8%. Esse crescimento, no entanto, não tem sido suficiente para impedir o recuo do mercado do Ciclo Otto (veículos que rodam a gasolina e/ou etanol), que é tradicionalmente associado ao comportamento da renda familiar. A queda acumulada do ciclo Otto, no quadrimestre, é de 1,6%. Já o consumo nacional de gás liquefeito de petróleo (GLP), cujo principal mercado é o domiciliar, subiu 5,71% em abril. Nos quatro primeiros meses de 2018, houve um crescimento de 0,6% nos volumes vendidos. Os dados da ANP mostram, ainda, uma queda de 30% nas vendas de óleo combustível em abril e de 18,5% no primeiro quadrimestre. A demanda pelo derivado está associada, sobretudo, ao despacho das termelétricas. No mercado de aviação, a comercialização de querosene (QAV) subiu 10% em abril e 6,5% nos quatro primeiros meses. A gasolina de aviação também avançou 10% no mês retrasado, mas acumula uma queda de 0,3% no ano. Ainda segundo a ANP, o consumo de querosene iluminante subiu 40% em abril, embora, no quadrimestre, tenha havido uma retração de 7,2%. Fonte: Valor Econômico